Quando nós falamos em carros híbridos logo associamos esse tipo de automóveis com automóveis “limpos”, com pouca ou quase nenhuma emissão perto dos carros convencionais que estamos acostumados a ver rodando por aí. Pois bem no final do ano passado a Ford européia lançou um modelo do fiesta que veio pra provar que isso nem sempre está certo e que podemos ter carros “verdes” sem que eles sejam híbridos.

Tenho aqui um exemplo dos sites das montadoras do Reino Unido mostrando os índices de emissões e eficiência de dois modelos, um híbrido (Honda Insight) e um a diesel (Ford Fiesta)

Vejam o último modelo do fiesta nessa lista

Link Ford

Link Honda

O honda Insight é o novo lançamento da Honda, mais eficiente que o Civic híbrido e menos poluente também, mas como vocês podem ver o Fiesta é muito melhor nos dois quesitos, tanto em quantidade de emissões, até então o carro menos poluente do mundo sendo um dos carros menos poluentes do mundo, perdendo apenas pro smart diesel, quanto no consumo. E isso me faz pensar em 2 coisas.
Primeiro, por que ainda não temos carros a diesel rodando no Brasil, isso facilitaria muito o “intercâmbio” de carros com o Mercosul, e até mesmo com a Europa, sem precisar de ajustes pra nossa terrível gasolina, o que talvez ainda ajudasse a reduzir os custos dos carros.
E segundo por que não utilizar essas tecnologias em conjunto?
Bom, pra quem não sabe um carro hibrido como o Insight e o Civic por exemplo, têm um motor elétrico “acoplado” ao motor a combustão, então não vejo muita dificuldade em acoplá-lo num motor a diesel, óbvio que não sou nenhum engenheiro e não sei a real facilidade disso, mas até que me provem o contrario e pelo que sei ainda acho isso viável.

Infelizmente não veremos nenhum desses carros rodando no Brasil, um por que é proibido por lei, o famoso subsídio ao diesel, e o outro por que não tem mercado. Estamos andando na contra mão do resto do mundo, enquanto todos se preocupam com emissões e consumo (nos EUA mais por causa da crise) nós estamos vivendo o momento SUV, onde tamanho é o que importa sem se preocupar com o impacto que isso causa no meio ambiente e também no nosso estilo de vida e na nossa cidade.